ambiental

1º Torneio Ecoanzol de Pesca ao Robalo no rio Paraíba do Sul

Publicado em 13/06/2017 às 17h50

   O 1º Torneio de Robalo do Rio Paraíba do Sul movimentou este sábado (10) no Cais da Lapa em Campos dos Goytacazes. Cerca de 1500 pessoas passaram pelo local, segundo a comissão organizadora. O evento é uma idealização da Ong Ecoanzol e contou com diversos parceiros de instituições públicas e privadas. A programação homenageou a Semana do Meio Ambiente e contou com premiação e sorteios. O torneio tem a chancela da Federação de Pesca e Lançamento do Estado do Rio de Janeiro (Fepelerj) e Confederação Brasileira de Pesca e Lançamento-Nova Pesca Brasil (CBPL-NPB), sendo parte do calendário nacional em 2017.

   A abertura do evento foi realizada nessa sexta-feira no Hotel Tulin Inn, com recepção dos atletas e entrega dos kits de participação. Em média, 150 pessoas participaram da cerimônia, conta Luiza Salles, presidente da Ong Ecoanzol. Pela manhã, 84 atletas distribuídos em 42 embarcações, deram largada no rio Paraíba do Sul.
   A área mapeada para o torneio se estendeu até a localidade de Martins Lage, num percurso de 14 km. Cada equipe pôde pescar até as 16h, horário limite para apresentação de cinco peixes. A comissão julgadora avaliou a soma dos tamanhos, que foram premiados do 1º ao 3º lugar. No inicio da competição, Marcelo Fernandes, coordenador do Torneio, chegou a apontar um vencedor, mas o resultado surpreendeu. “O evento está superando nossas expectativas, principalmente com a viração do tempo, que propiciou a aparição de peixes grandes como o Robalo Flecha. Tivemos um de 75 centímetros, muito bonito o peixe! Eu acho que vai ser o peixe do evento que vai levar o barcão”, opina o coordenador fazendo referência a uma das premiações, a carreta da Atelier do Ferro, prêmio especial aos competidores classificados a partir da quarta colocação.

   Outros destaques que marcaram o evento foram a Oficina de Leitura com autoras de Carapebus/RJ, Oficina de Educação Ambiental, doação de sementes, Palestra do Instituto Federal Fluminense (Polo de Inovação Campos dos Goytacazes/RJ), sobre o projeto de processamento de pescado, e exposição nos stands dos parceiros do Torneio.
   Thiago Berriel, vice-diretor e gestor do Projeto Piabanha, organização da sociedade civil regida pela Associação de Pescadores e Amigos do rio Paraíba do Sul, considerou de suma importância para região à realização do Torneio. Para colaborar com o evento, o projeto trouxe um aquário com espécies de peixes em extinção, que foi bastante frequentado pelos visitantes. A Arte Peixe, cooperativa de mulheres de São João da Barra/RJ, também participou das exposições, neste caso com apresentação de produtos oriundos do pescado, feitos artesanalmente.

   Fernanda Pires, líder do grupo de oito mulheres, parabenizou a iniciativa e agradeceu a oportunidade. “Precisamos de mais eventos como esse, para trocarmos experiências e, no nosso caso em especial, escoar os produtos. Que venha o próximo!”, ressalta a representante, que informou ter vendido quase todos os produtos que trouxeram.

   Pouco antes das 17h30, foram anunciados os vencedores: Águia Fishing Tean em 1º lugar, com a metragem de 221 centímetros (5 peixes), em 2º lugar Gaia que totalizou 147 centímetros (3 peixes) e com o 3º JL Pesca, 126 centímetros (2 peixes). Para surpresa de todos, o ‘peixão’ de 75 cm ficou na terceira colocação.
   O torneio trouxe como pano de fundo a preservação da espécie alvo da prova, do manancial federal e sua bacia hidrográfica. Trabalhou a sensibilidade da sociedade e autoridades para o estabelecimento de período de defeso do robalo com o objetivo de preservar a espécie, visto que não há legislação federal que defina esse tempo tão importante no ciclo reprodutivo dos peixes.

   No período da piracema é comum encontrar redes que atravessam o leito do rio margem a margem culminando na coleta de fêmeas ovadas, com a consequente redução do estoque pesqueiro a cada ano.
 
 Com a realização dos torneios de pesca programados para o ano de 2017, a Ecoanzol retoma as ações de pesca esportiva na região e lança o projeto Centropomus sp de Pesca Esportiva da Ecoanzol para abrigar todas as ações relacionados ao esporte. O projeto é integrante do Programa de Gestão Territorial Sustentável "Olhos d'Água", que registra ações realizadas pelos quase 12 anos de existência da Ecoanzol. Os campeonatos de Pesca organizados em São João da barra nos anos 2009 e 2010, fazem parte dessa história. O programa "Olhos d'Água" atua com 14 eixos de ação, constituídos a partir das ações realizadas pela Ecoanzol desde 2005 nas vertentes ambiental, social, econômica e cultural segundo o lema do milênio: "Pensar Global, Agir Local".

Defeso do Camarão 2017

Publicado em 17/03/2017 às 01h16

   O período de defeso do camarão neste ano de 2017 acontece de quarta-feira  1º de março a 31 de maio e tem como objetivo preservar a reprodução do crustáceo impedindo a pesca de camarão no mar do interior do Rio de Janeiro.

   Nesses três meses fica proibida a pesca de arrasto com tração motorizado para a captura das seguintes espécies; Camarão-rosa (Farfantepenaeus paulensis, F. brasiliensis e F. subtilis); Camarão-sete-barbas (Xiphopenaeus kroyeri); Camarão-branco (Litopenaeus schmitti); Camarão Santana ou Vermelho (Pleoticus muelleri) e barba-ruça (Artemesia longinaris).

 

 

 

 

 

 


   A medida não vale para a pesca na Laguna de Araruama, que tem um período próprio de defeso. Os Pescadores de Cabo Frio, Arraial do Cabo, Búzios, Saquarema, Macaé, do litoral de Campos dos Goytacazes e São João da Barra são afetados por esta medida. 

   De acordo com a Fundação Instituto de Pesca do Estado do Rio de Janeiro (Fiperj), o pico do período de reprodução do camarão varia de um ano para outro, de acordo com a variações climáticas, de correntes e ventos.

Segundo a fundação, para receber o seguro-defeso, os pescadores devem ter o RGP (Registro Geral de Pesca) e NIT como assegurado especial. O primeiro é feito no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, e o segundo no INSS.

   As punições incluem advertência, multa, apreensão dos animais, destruição do produto e suspensão parcial ou total das atividades, de acordo com o Decreto nº 6514, de 22 de julho de 2008.

   Vamos respeitar o defeso garantindo que as espécies possam se reproduzir.

                                                                                                    Camarão Santa ou Vermeçho - Pleoticus muelleri

    Camarões sem dúvida são iguarias deliciosas e são apreciados por muitos de nós mas, como cidadãos e consumidores conscientes podemos e devemos evitar a procura por eles nesse período, diminuindo a procura com certeza impactaremos diretamente na pesca. Sabemos que mesmo proibida a pesca acontece de forma clandestina, portanto fazendo a nossa parte daremos uma contribuição importante afinal é apenas um pequeno período que irá garantir o futuro de muitas espécies.


left show tsN fsN uppercase fwB|left tsN uppercase fwR|left show tsN uppercase fwR|c05||image-wrap|news c15|fsN fwR normalcase tsN|b01 c05 bsd|news login fwR normalcase tsN|tsN fwR normalcase|normalcase fwR c05|content-inner|left fwR tsN uppercase|news fl login fwR normalcase